domingo, 2 de março de 2008

O Bom-dia do Haroldo

Enquanto meu coração suspirava por amores platônicos na infância/adolescência, eu me remediava nos dramas alheios. Todo os dias, às nove da manhã, ouvia o "Bom-dia", do Haroldo de Andrade. Era uma adicta. Depois da música de abertura - o Concerto para Piano nº1, de Tchaikovsky, forte para criar um clima, o radialista contava a história de um/uma ouvinte desesperado(a) que havia mandado uma carta ao programa. Era mais ou menos assim o começo: Há pessoas que acreditam que o dinheiro compra tudo: felicidade, desculpas, consciência. Que não conseguem enxergar a delicadeza da amizade, a dor do irmão, a importância da solidariedade. É disso que nos fala a carta do meu ouvinte de Madureira, fulano de tal...
Então, vinham as histórias: eram mães que abandonavam os filhos, mulheres traídas, velhinhos largados à própria sorte, gente despejada, pessoas doentes, as situações mais melodramáticas possíveis. No fim, Haroldo consolava de algum jeito, tipo assim: "Para você, sicrano, na esperança de que a tranqüilidade volte ao seu coração e que você possa ser perdoado pelo beltrano, o meu abraço, a minha amizade e este bom-dia...". E subia o som da música de Tchaikovsky.
Eu vibrava, adorava mais do que novela. O "Bom-dia" me fazia chorar, olhar para cada rosto na rua como um possível ouvinte, esquecer as minhas bobagens, inventar. O quadro, que abria Programa Haroldo de Andrade, falava de gente real, desprezada, angustiada, agonizante. O locutor era passional, não apenas relatava, mas afagava a vítima e apedrejava o vilão da carta em pleno ar. Era o máximo.
Depois que fui estudar de manhã, no científico, não ouvi mais, nem sei se o quadro continuou. No decorrer da vida, colecionei alguns poucos, mas agora sim verdadeiros, dramas para contar ao Haroldo e receber aquele emocionado bom-dia. Mas Haroldo se foi no fim de semana. Fica mais uma saudade de chorar na minha memória infantil.

15 comentários:

Anônimo disse...

obrigado Ana, a tempos queria saber
o nome dessa música maravilhosa de Tchaikovsky que junto com o Aroldo
de Andrade marcaram muito minha vi-da, como você mesmo disse aquelas
sábias palavras além de nos emocio-
nar todas as manhãs nos ensinava a
encarar os problemas e também aju-
dar outros tantos, cheguei a morar
perto dele na penha era o mesmo do
programa, sem máscara e só bondade,
mas, Deus sabe o que faz. Abraços
Antonio Salvador-ba

Ana Silvia Mineiro disse...

De nada, Antônio. Bom poder informar aos outros. A músca é muito marcante mesmo. Um abraço.

Gustavo Gomes "MiNhoKKa" disse...

Eu também ouvia muito esse programa... ficava sentado na mesa da cozinha fazendo dever de casa enquanto minha mãe preparava a comida. Nunca esqueci a música e nem o finalzinho da mensagem dele, com aquele "um abraço e esse bom dia".
Tu se lembra o que vinha depois disso?
"No ar, mais um Bom Dia com Haroldo de Andrade! Um oferecimento dos Supermercados Mundial, onde o seu troco é maior"!

Lembrou? :)

Depois, nessa mesma rádio, vinha um programa horroroso chamado Alerta Geral, que só falava de casos escabrosos de violência. Desse eu não sinto saudade não.

Nossa, bateu uma puta nostalgia aqui agora... obrigado, moça.

Mesmo! :)

Ana Silvia Mineiro disse...

Gustavo,
sabe do que eu me lembro muito? do "O seu redator-chefe". Ia ao ar pontualmente às sete da manhã. Puta angústia.
E a Cidade contra o Crime? Acho que é desse que vc falou, não é não?
Putz! Maravilhosas essas recordações.

Marcilioluz disse...

Olá pessoal! Gostaria de saber onde posso baixar a música de abertura do Programa Haroldo de Andrade. Gostaria da versão idêntica à do programa. meu email é marcilioluz@yahoo.com.br

Agradeço desde já!

Cid Durães disse...

Quanta grandiosidade havia no coração desse Haroldo de Andrade, quantos corações foram tocados...
Realmente foi uma perda irreparável a partida dele.

Parabéns a esta jornalista que nos trouxe de volta a lembrança deste grande comunicador do rádio brasileiro.

Cid Durães disse...

Quanta grandiosidade havia no coração do Haroldo de Andrade, quantos corações foram tocados...
Realmente foi uma perda irreparável a partida dele.

Parabéns a esta jornalista que nos trouxe de volta a lembrança deste grande comunicador do rádio brasileiro.

Cid Durães disse...

O "O Bom-dia do Haroldo" continua no ar com seu herdeiro Haroldo Jr.
na Rádio Tupi, aos domingos às 9 da manhã, inclusive com a mesma música de Tchaikovsky.
Ouça e veja através do link que segue: http://www.tupi.am/aovivo/video/

Abraços.

Ana Silvia Mineiro disse...

Bom saber disso, Cid!
Vou me programar para ouvir.
Obrigada e beijo

Anônimo disse...

Cresci ouvindo a rádio globo aqui no Estado do Tocantins. Nessa época (anos 70) não existia rádio FM, significando que o rádio que eu ouvia lá no meu sertão, era o mesmo do morador de Copacabana e Ipanema. Adorava os debates populares, o bom dia do Haroldo de Andrade. O programa do Haroldo era de um nível que não se vê hoje em dia, com muita informação, entretenimento e música boa. Teve uma importância muito especial na minha formação de adolescente.

Benedito Mandureba Porto Nacional -TO

Ana Silvia Mineiro disse...

Haroldo marcou nossas vidas. Todo o Brasil ouvia o programa. Sinto falta em muitas horas do Bom-Dia dele. Com quantas coisas me identificava...

Anônimo disse...

Chorei quando o Haroldo de
Andrade Faleceu. Até hoje fico triste e choro quando ouço a música de abertura do seu programa, Concerto para Piano nº1 Tchaikosvsky, perda irreparável, tanto por sua excelente capacidade e competência profissional como pelo grande ser humano que ele foi. Cresci no interior do Rio de Janeiro ouvindo o seu programa todas as manhãs enquanto minha mãe fazia os trabalhos de casa e o rádio sempre ligado no programa do Haroldo. Jamais me esquecerei do Haroldo e apesar de não tê-lo comnhecido pessoalmente, o considerava como meu irmão, alguém da família. Posso dizer que aprendi muitos valores, ouvindo o eterno Haroldo.
Edson.

francisco dos santos disse...

oi, se hoje sou radialista devo a homens como Waldir Vieira,Eli Corrêia,Aroldo de Andrade claro e Antonio Carlos,aqui no noroeste do estado do Rio de janeiro , sempre sou comparado a algun destes,tudo por causa da programação que levo ao "AR". Pessoas que vem de fora se extasiam ao me ouvir.Eles dizem q. o programa tem conteúdo, até os mais jovens ouvintes. hoje tenho 55 anos,casado e respeitado como radialista (estilo ainda de RÁDIO AM ).A esses; MEU MUITO OBRIGADO!!!

augusto disse...

Olá Ana! Te agradeço muito pois quando eu era criança, meus avós não perdiam um programa dele na época na radio Globo com o Bom dia. Gente quando ouvia aquela orquestra tocando, o que mais queria era saber o nome daquela música, não me importo se levei décadas para descobrir. Pesquisei no youtube e agora posso ouvir quantas vezes eu quiser. Beijos

pacheco disse...

...chegava de manha, trazendo nas costas um saco de capim para as vacas, enquanto minha mae fervia o leite das vacas, e no fogao de lenha ja cozinhava o feijao, eu tomava meu banho , tinha em torno de 10 anos, e me sentava a mesa "passando a limpo o dever de casa", enquanto eu e minha querida mae ouviamos a abertura do programa Haroldo de Andraade, com aquele vozeirao, transmitia uma linda mensagem. Que saudades!