quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Me beija que não sou cineasta, mas poeta


Chegou no bloco e na bucha e me recitou um poema ao pé do ouvido no Baixo Gávea. "Hmmmm... é assim, assim", eu disse. "Mas fiz para o bloco, sou poeta. Você não gostou?", perguntou-me Chacal. "Sei que é poeta. Já li coisas melhores suas", fui sincera. "Então deixa eu dizer outro: 'Quero que você me beije e a quaresma me deixe.'" "Não. Não gostei". Levei um tapa de brincadeira na mão com a força descontrolada dos ébrios, antes do afago de desculpas. Tudo certo, Chacal, colou com outras e outros que respiram. Neste momento, faço meu seu verso: quero que a quaresma me deixe.

3 comentários:

Carneiro disse...

Ah entao eu es a famosa, formosa. parabens e saudash mil.....

Jorge Cordeiro disse...

ainda bem que vc nao pôs a foto em que aparece de toalhinha... que coisa ridícula, 'vovô'....

Ana Silvia Mineiro disse...

Mas a foto taí...
Vai lá embaixo ver, meu bem.